Uma profecia ditada pelos deuses

Quando os Primeiros receberam o dom da palavra e os Segundos o dom da profecia, contaram para os Poucos a história do Monstro do Mar que surgiria numa tarde de Sol negro e de águas bravias.

Assim os seus Deuses – os nossos Deuses – lhes sussurraram nos sonhos. E essa era a verdade.

Disseram que, quando o monstro tocasse as areias da praia, cuspiria gigantes de gelo, brancos como os cadáveres, e eles brandiriam grandes armas feitas com dentes de cor de prata da Lua.

Dentes que morderiam fundo.

E arrancariam braços.

E decepariam cabeças.

E fariam as mães chorarem.

E todos, mesmo os mais corajosos, tremeriam de medo.

Os Primeiros e Segundos há muito estão mortos. Há tanto tempo que seus ossos já se tornaram o pó que nutriu as raízes profundas das árvores sagradas, altas, tão altas que podem tocar as nuvens.

E os nossos Deuses estão cada vez mais em silêncio.

E alguns da nossa gente, os mais rebeldes e sem respeito à verdade, bradam que eles devem estar mortos. E outros, sem temor de ter a alma estraçalhada ao chegar ao mundo dos mortos, dizem que eles nunca existiram.

Aos anciãos, resta a tristeza e a condolência aos Antes-deles. Por isso, suas palavras perduram contadas e recontadas pelos Filhos dos filhos dos filhos que as repetem aos Novos nas noites de Lua-azul.

E assim sempre foi. E assim sempre será.

Até o fim dos tempos.

Gostou? Clique aqui e leia o primeiro capítulo de Vikings: Berserker